quinta-feira, julho 13, 2006

Há cinco anos atrás, escrevi esse poemeto. Ele surgiu de uma amizade profunda entre mim e a moça que tem a lua em libra.
Minha querida Lia, fiquei devendo ao Vítor a explicação desse nosso eterno “beijo na alma” e mais do que isso, acho que o meu atual momento clama por esta (re)visita.

Há lama na minh'alma
Ou é a minha alma que esconde a lama?
Essa poeira calcificada
Dói nos meus ossos
E gruda nas minhas entranhas.
Seria pedir muito
Que não latejasse?
Seria querer demais
Que se dissolvesse?
Alma e lama, lama e alma
Água e barro
Sopro e chama.

(29/06/01)

5 comentários:

Vítor Leal Barros disse...

um beijo na alma

luciana MELO disse...

Ah, isso é um refrigério, meu amigo!
;^D

CeciLia disse...

Ah, minha querida

deixa eu ficar quieta? Deixa-me silenciar?

Vitor? Vitor, entendes?
Vitor que sabes das sensibilidades que as palavras dão? Das nevralgias com que elas chocam as pontas dos nervos expostos? Sabes, Vitor?

Sim, sei que o sabes.

Silencio, então.

Obrigada, minha Lu. Obrigada, meu Vitor.

Beijos na alma linda, nada lama, de vocês.

newloghere disse...

Interesting website with a lot of resources and detailed explanations.
»

Lu disse...

Minha Lia, tu podes tudo. Conquistates tal direito. Beijos muitos