quinta-feira, junho 29, 2006

Um mini...

Achou que o amor era assim uma loucura amarela como os Girassóis de Van Gogh cujo centro só latejava quando o sol, a pino, fazia o miolo marrom aveludado girar. Embarcou na idéia de que o amor era essa ciranda vertiginosa do meio-dia: pernas agitadas, asfalto mole turvando a vista, suor escorrendo pelas dobras do corpo. Até seu perfume era selvagem: tinha o toque de almíscar.
Mas – quem ousara pensar – tudo aconteceu numa noite de lua branca e céu cobalto, na hora que o sol é mero fogo pálido.
No balcão da padaria, ela pediu um sonho. Antes mesmo que desse a primeira mordida seus olhos cruzaram o rosto geométrico do homem de azul. Ele tinha cheiro de madeira – talvez cedro – e movimentos lentos. Soube então, naquele instante, que o amor também tinha os tons suaves de um Matisse.

4 comentários:

Vítor Leal Barros disse...

eu acho que o amor não tem tons suaves... eu acho que ele é os próprios tons suaves...

Agripina Roxo disse...

o homem de azul...
e será que os tons suaves de um Matisse conseguem personificar as ondas de um mar revolto? ou as cores de uma rocha onde encostas o teu ouvido?
ou será que não estamos a falar do mesmo homem?
se calhar não, mas eu gostava que fosse, porque era sinal que as ondas acalmaram :)

estou a pensar pedir sonhos na padaria, não sei se tem, mas pode ser que sim :)

beijinhos de todos os tons

luciana MELO disse...

Agripina, tenho descoberto muitos oásis no deserto em que atravesso e você é uma dessas surpresas... oxalá eles sejam o mesmo: o das ondas revoltas que depois da ressaca traz a bonança tão esperada.
Beijão

Meu Vítor, eu também acredito que o amor é suave em todos os tons ;o)

psonica disse...

Really amazing! Useful information. All the best.
»