segunda-feira, maio 01, 2006

De preferência sem palavras (2)

Permanecer em surdina para ouvir o grito da poesia quando nasce. E sentir que o poema cresce por dentro. Sentir que cria raízes no sangue e nos músculos, sentir que vasculha cada canto do corpo e o percorre até às profundezas da alma. Uma viagem sem palavras, sempre sem palavras, apenas como se fosse um raio de luz… ou um cheiro, ou um arrepio, um tremor, um frio leve no peito… as substâncias verdadeiras do poema. E fazer um esforço, um sacrifício se preciso for, para matar todas as palavras. Assassiná-las sem dó nem piedade, para que o poema seja, para que o poema exista ausente às paisagens desfocadas dos signos e dos sinónimos. Porque o poema é o exacto inverso das palavras. Porque a poesia é o que as palavras não dizem, como se atrás dum espelho vivesse um pomar de magnólias.

3 comentários:

luciana MELO disse...

Vítor querido, essa série está de uma delicadeza linda. Dói na alma proporcionando um gozo bom!

Ah, deixa eu te perguntar. A série das fotos inspirou-me alguns poeminhas, aceita-os como epígrafe para compor toda a paisagem?
Beijo

Vítor Leal Barros disse...

Lu, claro que sim... nem se pergunta... Eu é que me pergunto quando é que decides partilhar todas essas coisas aqui no blogue, ou já te esqueceste que esta é a tua casa também... não vejo a hora de voltares!!!!

Um beijo grande

frosado disse...

Ai, quem me dera um "pomar de magnólias"..., contento-me com o filme, do mm nome. bjs
e bom fds.