sexta-feira, abril 21, 2006

um poema que não me canso de ler:

...DEPOIS DE ME PERGUNTAREM «O QUE É UM HOMEM?»,

RESPONDI.....

à maneira de Keats...

O meu filho mais velho visita-me
no hospital. Traz gigantescas
peónias e a enfermeira coloca-as
numa jarra de vidro, e elas inclinam-se serenas
sobre o parapeito da janela onde
parecem ter receio de contemplar a cidade
lá em baixo, coberta de fumo. Pergunta-me quando
irei para casa. Não sei.
Vê que há fios que se estendem
de mim para uma televisão onde
o pulsar do meu coração é o Sunday Spectacular.
Como é que estou?, pergunto. Examina
o écran e diz: Não sei.
É preciso um especialista para te dizer como
te encontras, mas ninguém o vai fazer.
Devo ter adormecido, e quando acordo
estou sozinho, e o velho
ao meu lado desapareceu, e o quarto
está a escurecer. Este é o domingo
que preencherá a promessa nunca feita
de todos aqueles domingos desaparecidos
em que uma sombra do canto
do olho se aproximou, enorme, hesitou e partiu,
e eu suspirei cansado pois sabia
que teria de viver aqui mais uma semana.
Finalmente um tempo e um lugar para morrer me
são dados, e até uma pequena justificação.
As flores voltaram-se agora, pois
as janelas já escureceram, e eu
vejo os seus rostos pálidos no espelho liso
do vidro. Não, não estão a chorar,
pois isto não é um vale de lágrimas.
Riem tranquilas como as flores
sempre fazem na companhia dos homens.
«Porque este é o lugar onde as almas
são feitas», murmura o seu riso.
Hei-de ler Keats outra vez, erguer-me-ei
e irei pelo mundo, sem fios e livre;
porque já não sou um filme,
não tenho um começo, um meio, um fim,
nem um fundo musical a realçar cada cena,
um guarda-roupa ou um técnico da cor.
Sou apenas um homem que se veste no escuro
porque é isso que é um homem -
tantas bocas cheias de riso
e outras mais, tudo que pode existir
atrás dos tristes e castanhos dorsos das peónias...

A Pura Verdade, Philip Levine

trad. colect. revista por Maria de Lourdes Guimarães
Quetzal Editores (Poetas em Mateus)

3 comentários:

Agripina Roxo disse...

é sempre um prazer visitar este blogue :) a música é fantástica, as imagens são muito boas, e claro, as palavras são muito sábias, simples e sentidas :)
Aqui respiro paz e sonho :)
Obrigada *

Vítor Leal Barros disse...

obrigado eu agripina (em meu nome e em nome da lu)... assim deixas-me sem graça :( hehehe

luciana MELO disse...

Deixa mesmo, Agripina!
Ando com algumas dificuldades nestes últimos tempos, mas estou certa que nenhuma delas me vencerá. Em breve espero voltar inteira ao Sincronicidade e às casas amigas.
Beijoca

Vítor, eu conhecia esse poema, mas não sabia de quem era. Que força essas palavras têm!