sexta-feira, março 03, 2006

volta e meia regresso a este poema...

"Os Pratos da Balança

Por entre as rochas um rapaz, nas mãos levando uma balança, avança em direcção ao mar. Vai procurar pesá-lo. Num dos pratos, o mar há-de revolver-se, debater-se, rebentar, há-de trazer à superfície a força das entranhas e atrair o céu, há-de-o fazer precipitar-se até com ele se confundir, e as próprias rochas através das quais o rapaz segue hão-de pesar no prato ferozmente. Imperturbável, o rapaz colocará no outro prato o seu sorriso."
Poesia Completa 79-94 (D. Quixote), Luís Miguel Nava

1 comentário:

luciana MELO disse...

os pratos da balança falam de uma complexa alquimia.
Muito lindo.