segunda-feira, setembro 11, 2006

este não é um post fácil


"The Falling Man", 11 de Setembro de 2001, Richard Drew

Esta é uma daquelas imagens que exerce sobre mim emoções tão ambíguas que, falar sobre ela, analisá-la, se torna num exercício penoso, incongruente e difícil de suportar.
Não conheço ninguém que não saiba o que estava a fazer no dia em que foi captada. O mundo mudou. Não sabemos muito bem no que se tornou a partir daí, mas sabemos que mudou. Sabemos que vivemos com medo e sabemos que hoje somos menos livres. Só existem dois limitadores da Liberdade: o Medo e a Culpa.
Não gosto de cair em julgamentos fáceis sobre o suicídio, até porque o suicídio em si não é nunca uma decisão fácil. Há liberdades que fazem parte da esfera individual de cada um, o suicídio é uma delas, e se há alguém que decide usufruir dessa liberdade, algum motivo, alguma razão, por incompreensível que nos possa parecer, deverá existir. A incompreensão não invalida o respeito pelo outro e, se realmente formos dignos desse respeito, não haverá da nossa parte qualquer julgamento ou juízo de valor. Tenho sobre o homem retratado em “The Falling Man” esse tipo de respeito.
Sei que sou capaz de compreender que alguém assuma a responsabilidade e o controlo da sua própria vida, mas não sei se compreendo a mesma responsabilidade e o mesmo controlo sobre o fim dela. Pensar se sou ou não capaz de o fazer é qualquer coisa que me assusta e me cria pânico, pela simples razão de abalar a minha estrutura e os meus princípios enquanto ser vivo. Mas quando olho a tranquilidade daquele corpo em queda e sinto que aqueles segundos significaram a libertação de alguém obrigado a viver um inferno que não construiu ou desejou, cresce-me uma espécie de cumplicidade desconfortável, como se numa situação semelhante eu fosse capaz de desejar o mesmo.
Houve alguém que investigou a identidade do homem retratado. Não sei se ver cumprido o desejo lhe trouxe alguma satisfação. Indo em sentido contrário àquilo em que acredito e que tenho como valor essencial e inabalável, a VIDA, “The Falling Man”, para mim, representa escolher a Liberdade à tirania do Medo imposta pela maldade deliberada, ainda que escolher, signifique ser-se livre apenas por 4 ou 5 segundos.
Porque não esquecemos e não podemos esquecer.

3 comentários:

jMAC disse...

por outro lado uma das ambiguidades e complexidades desta foto é sua "estética": é a que a "imagem" é bonita. assim, sem mais. e aterroriza-nos saber que a imagem é bonita. porque sabemos do que se trata. da realidade que a imagem representa. da monstruosidade para além da quelquer palavra.
esse é o terror.

Lu disse...

não comentarei... tentarei postar algo. Beijos

Vítor Leal Barros disse...

jmac... essa é realmente uma das perversidades desta imagem...